Rendição

Faz alguns meses que em meio às minhas “andanças” pela internet acabei conhecendo Josiane Veiga que, assim como essa que vos escreve, e uma escritora independente e é autora de três livros. Praticamente uma máquina de escrever, não é mesmo?

Li sinopses de cada uma das obras e sou sincera quando digo que não precisei ler uma segunda vez para que uma grande curiosidade em mergulhar em cada uma daquelas histórias se instalasse no meu ser. E quando li algumas resenhas a curiosidade se transformou em uma necessidade quase física.

Felizmente, não demorou muito para a Josy organizar uma Booktour de suas obras entre blogs literários. Nem preciso dizer que “fui correndo” garantir minha vaga, não é?

Vaga garantida, agora só me cabia esperar pelo andamento da Booktour, certo? Certo, mas bota espera nisso! Os livros da Josy são grandes, logo, não me surpreende que cada um dos participantes esteja demorando em dar conta da leitura.

Só que foi com grata surpresa que a Josy decidiu enviar um exemplara de Rendição para que mim e, por minha vez, deveria enviar para a Luciane Rangel (lembram-se dela, não é? Autora de “Guardians”). Nós duas fomos incumbidas de ler, resenhar e SORTEAR “Rendição”. Isso mesmo, sorteio!

Mas já enrolei mais do que o suficiente, não é mesmo? Vamos a resenha.

Ken Takeshi é líder da banda Jishu, uma das bandas mais famosas do Japão. Bonito, rico e famoso, é simplesmente o tipo de homem que não precisa fazer qualquer esforço para arrancar suspiros por onde passa. O tipo de pessoa que parece ter tudo aquilo que deseja.

No entanto, isso está longe de ser uma verdade. Há algo que o rapaz deseja mais do que qualquer outra coisa no mais absoluto segredo. Ken ama uma pessoa, mas não uma pessoa qualquer: ele ama Kazou Ninomura, seu parceiro da Jishu.

Exatamente: Ken ama um homem.

E antes de continuar, deixe-me parabenizar a Josiane pela forma como ela trabalhou os sentimentos do Ken quando admitiu para si mesmo que estava apaixonado pelo amigo. Todo mundo que está lendo essa resenha já se apaixonou uma vez na vida, não é? É uma mistura de felicidade com um medo irracional de que o sentimento não seja correspondido, não é verdade? Agora imagine esse turbilhão de sentimentos somado ao fato de que se está amando alguém do mesmo sexo que você, coisa que a sociedade (ainda mais a japonesa) é taxativa em dizer que é algo sujo e imoral... Deve ser de deixar qualquer um maluco, certo? E eu fiquei aflita junto com o Ken de tão envolvida que estava com os sentimentos dele.

Só que para surpresa e felicidade do rapaz, Kazou também o amava e, assim como ele, vinha guardando aquele sentimento só para si. Olha, eu confesso que comemorei feito criança quando os dois se beijaram pela primeira vez. Foi tão doce, meigo, suave... Incrível como torcemos e nos emocionamos com pessoas de papel, não é mesmo?
Os dias correm tão perfeitos para o jovem casal, que mais pareciam estar vivendo um conto de fadas. Mas o encanto daqueles dias acabou quando Audrey Morgan aparece dizendo que é namorada de Kazou e o mesmo admite na cara dura, fazendo com que o coração de quem ficasse mais quebrado do que arroz de terceira (nessa hora eu xinguei o Kazou de “desgraçado” para baixo)!

Mas, por uma jogada do destino, um dos integrantes da Jishu acaba descobrindo que aquele namoro nada mais era do que uma chantagem da americana que tinha em mãos algo que poderia acabar não só com a carreira de Kazou como e todos os membros da Jishu!

Quem é Audrey Morgan? O quê ele tinha em mãos para acabar com Kazou? Será que Kin (o membro da Jishu que descobriu a verdade por trás do namoro) contaria para Ken o quê realmente estava acontecendo ou manteria a promessa feita a Kazou de não contar nada a ninguém sobre aquilo? As respostas estão no livro.

“Rendição”, como a própria autora diz, é uma história de amor. Uma história de amor entre duas pessoas que tem que lidar com um monte de obstáculos para ficarem juntos.

Embora a história gire em torno do relacionamento mega conturbado de Ken e Kazou, deixe-me confessar aqui meu amor incondicional pelo outro casal que aparece no livro: Aiko e Suichi que também são integrantes da Jishu. Não que eu não tenha gostado do casal principal; sofri junto com o Ken, xinguei o Kazou de tudo quanto é nome, senti raiva, vibrei, quase chorei, precisei tomar banho frio... Enfim, senti todas as emoções que eles sentiram, tão bem descritas pela Josy.

Mas Aiko e Suichi... Eles conquistaram meu coração! Ao contrário de Kazou e Ken, Aiko e Suichi vinham mantendo um namoro em segredo há anos! Eram tão discretos que nem mesmo os amigos da banda desconfiavam.

Acho que me encantei pelos dois por quê vi muito de minha personalidade deles. Na maior parte do tempo sou gentil e serena como Aiko, mas quando perco a paciência, sou tão estourada como o Suichi; amo animais como o Aiko; friamente racional como Suichi... Enfim, me encontrei neles. E mesmo tendo gênios tão diferentes, eles e compreendem e se completam de uma maneira que me fez suspirar várias vezes.

Acredito que esse é um dos segredos de um ótimo livro: a descrição dos personagens (não física, mas de suas personalidades). E a Josy descreveu-os tão bem, explorando as características de cada um diante das situações que vão se desenrolando ao longo do livro, que o leitor tem a impressão que aqueles personagens não são de papel e tinha e sim pessoas de verdade, que você adoraria conhecer!

Até mesmo a Audrey, a grande vilã, não é uma desgraçada filha de uma égua apenas por ser. E tem uma razão séria para agir como age. O quê de certa forma é uma pena... Queria ter sentido raiva da Audrey do começo ao fim, mas quando descobri o quê houve, acabei me arrependendo de quase todos os xingamentos que dirigi a ela.

É um livro que recomendo? Com certeza! Não só para fãs de yaoi, como para qualquer pessoa. Arrisco-me dizer que é uma leitura obrigatória, tanto para quem não tem qualquer problema com a sexualidade alheia como para aqueles que ainda tem dificuldade de lidar com as diferenças. Talvez algumas pessoas possam se sentir incomodadas com as parte de sexo explícito (e tem várias); se for seu caso, é só pular essas partes e continuar a leitura. Digo mais uma vez: é um livro que vale muito a pena ser lido.

Josy, obrigada não só pela oportunidade de conhecer sua obra, como por tê-la criado. “Rendição” não é uma simples história de amor; é uma história de personagens que tiveram a coragem de se render a esse sentimento.

Quando o amor bater à nossa porta, possamos ser como Ken, Aiko, Suichi, Kazou... Deixemos os medos e prudências de lado e possamos nos render ao amor.

8 comentários:

Suellen disse...

Lembro que li quando Josy escreveu no site e eu amei, não só os personagens mais como a trama foi desenvolvida.

Recordo que comentei com ela que o amor dos personagens principal poderia ser um amor como qualquer outra pessoa, pois na mesma época ou antes eu tinha sofrido de amor não correspondido.

E sendo Yaoi ou não Josy conseguiu me encantar com seu modo de escrever e os personagens além da expectativa para continuar lendo. Espero ler em breve e quem sabe adquirir os livros.

Sorte!

Dé Lima disse...

Oi Rafaela!
Eu também faço parte do book tour do Livros de Esteros e vim aqui conhecer um pouquinho do blog da outra carioca que também fazia parte!rs Preciso dizer que fiquei apaixonada pela sua resenha do livro Rendição. Que história linda! Preciso desse livro pra ontem. Deve ser muito difícil descobrir que se está apaixonado por uma pessoa do mesmo sexo e imagino o quanto eu não vou sofrer com os personagens lendo esse livro. Adorei a resenha!
Beijos!

Josy-chan disse...

Rafa, eu não tenho palavras.
Li duas vezes pq na primeira eu fiquei tão comovida que comecei a chorar com sua resenha... e na 2 vez foi para realmente usufruir de cada palavra.

Rendição é um livro chocante, realmente. O 2°, Redenção, é mto mais, mas esse livro em especial é meu xodó.
Eu fico tão feliz que tenha gostado.. tãoooo.. vc não tem ideia!

Eu realmente achei que poderia ser um livro de dificil aceitação, mas está me rendendo mtos comentarios positivos...
Fico tão feliz que tenha amado Aiko e Shuichi.. eles sao de longe os personagens mais amados do livro.

Enfim amada, espero que muitas pessoas se inscrevam para ganhar o livro, e que traga felicidade pra outra pessoa tambem.

MUITOOOOOOOOOOO OBRIGADAAAAAAAAAAAA

Lua ~ disse...

Eu realmente fico muito comovida em ler suas palavras. Você realmente, pelo que escreve, demonstrar adorar mesmo a saga. São poucas pessoas que vejo assim. Não vejo a hora de ler este livro.

Yukari Sakurai disse...

woow! parece q faz anos q li rendiçao XD e assim começa a saga~
sempre ouvi inumeros comentarios do livro, entao resolvi ler :D *e, claro, nao me arrependo*
consegui ler o livro em 2 dias!! *madruguei em frente do PC, de tao atrativo ele é!*
josyyy, te amo <3

Dani Hatsu disse...

Nee

Como amante de literatura BL, fiquei ccuriosa porque tinha acabado de conhecer a inspiração da Josy para as obras...

Bem o texto incrivel, o amor expostos nas linhas, fez eu reavaliar muito a mim mesma, e não so isso me mostrou um novo mundo.


Rendição realmente eu leio e releio com muito gosto e amor...

Acho que nunca li um livro tão rápido e por mais que comente sobre a obra até hoje creio não ter encontrado palavras pra expressar meu real sentimento, o minimo até hoje seria Perfeito.

Yah disse...

HUSUSAHUSAHUHSAUHSAUHSAUHSAUHSAUHSAUH eu ri muuuuito com a sua resenha!!!!
Realmente Suichi e Aiko são UM AMOR T.T eu amo loucamente esses dois, você não tem noção!
"a grande vilã, não é uma desgraçada filha de uma égua" auhauhhuahua, de onde você é? xDD sou do Ceará, aqui usa-se mt essa expressão!
como eu ja disse na sua resenha de redenção, a josy sabe muito bem emocionar a gente! vc fica com gostinho de quero mais a cada palavra que você lê.
otima a resenha, como eu disse, ri mt com ela xDD

magnus langbecker disse...

Resenha faz tentado a ler o livro.